Experiências natalinas

Presentear Jesus

Faz três anos que escrevo para Jesus cartões de Natal, ou, melhor dizendo, cartões de aniversário.

Tive a ideia depois de ler um artigo sobre Lhe dar presentes de aniversário, direta ou indiretamente. Como possíveis lembranças natalícias, o texto sugeria louvores pelo Seu amor e infinito cuidado, fé, bondade para com os demais, perdão, um ouvido atento aos outros e a ajuda aos que precisam.

Das trevas para a Luz

Véspera de Natal. Faz um mês que o Sol se escondeu abaixo do horizonte e não reaparecerá antes de meados de janeiro.

É assim na Noruega. E não é ruim, como alguns imaginam. A paisagem encapada de neve reluz com o brilho das estrelas e da Lua, e os raios solares dançam no céu noturno, um show de luz de tirar o fôlego.

Neste ano, o céu está incrivelmente belo e límpido, e passo muito tempo a contemplar da minha janela o oceano e suas ilhas. Estou fascinada pela “luz azul” especial que surge no firmamento por volta do meio-dia e o efeito encantador que ganham os objetos corriqueiros, quando vistos sob outra luz, literalmente.

A barreira

“Espere aí!” — ouvi alguém chamar numa manhã fria e chuvosa de inverno em Taiwan. Quando me virei, deparei-me com uma jovem miúda aparentando ter minha idade que veio correndo e disse.

 — Pensei que todos os estrangeiros voltassem para seu país nesta época. O Natal aqui é bem diferente, você vai ver.

 — Sei disso — respondi —, mas faço um trabalho voluntário aqui, não tenho condições de voltar ao meu país neste Natal. Mas vou ficar bem, pois tenho amigos aqui. Também tenho Jesus, que está comigo em qualquer lugar.

A borboleta de Natal

“Vamos fazer uma festa de Natal no dia 24!” — sugeriu Yoko Takahashi ao marido, numa manhã de dezembro. “Tenho certeza que as crianças vão adorar!” Koichi não reagiu, limitando-se a dizer que chegaria em casa tarde naquele dia, saiu para trabalhar.

O último mês do período costuma ser o mais estressante na empresa onde trabalha, mas, naquele ano, por causa do desaquecimento da economia, estava pior. Ele, como muitos outros, nem tinha garantia de que continuaria empregado. Apenas dois dias antes participara de uma festa de despedida para um colega de serviço de muitos anos, que estava se desligando da empresa.

Um pouco de amor, por favor!

No Natal passado, um médico convidou minha família para fazer uma apresentação para uns doze pacientes idosos.

No dia marcado, entretanto, apenas cinco tiveram condições de saúde para participar. Foi a menor audiência que já tivemos, mas seus belos sorrisos mais que compensaram nosso tempo e esforço. Ao final de nosso show, visitamos mais alguns anciões em suas casas. Uma mulher veio nos saudar com a ajuda de um andador e nos conduziu para o interior de sua casa simples e mal iluminada. Sentei-me com ela em sua cama e cantamos coros natalinos no dialeto local.

Pensamentos natalinos para tempos difíceis

Uma carta aberta por Lily Sridhar

Caro amigo,

Eu estava pensando em você hoje e queria fazer algo para animá-lo. Foi então que meus pensamentos me levaram pelo passado ao primeiro Natal. Mas a imagem que se formou na minha mente não foi a tradicional cena retratada nos presépios, de Maria bela, serena e bem trajada, adorando o Menino Jesus envolto em uma impecável manta de linho branco dentro de uma manjedoura que mais parece uma bela peça de mobi­liário do que um cocho no qual se alimenta o gado. E nem pensei no burrinho elegantemente preparado para a ocasião, ao lado de um José alto, forte e com ar resoluto. Não… A imagem que me ocorreu foi mais próxima daquilo que de fato aconteceu.

Por que adoro o Natal

No fim do ano passado, meus filhos e eu traba­lhamos com outra família para levar a alegria do Natal para crianças com deficiências físicas. Nosso programa consistia de apresentações musicais, números de palhaços e muita atenção pessoal para as crianças. Como as neces­sidades delas variavam muito de um grupo para o outro, nunca sabíamos ao certo o que encontraríamos.

Uma apresentação foi realizada nas instalações de uma organização de assistência a crianças deficientes de famílias de baixa renda. Um adorável pequenino de uns dois anos capturou minha atenção tão logo chegamos. Quando me aproximei dele vi que respirava por meio de um tubo que tinha no pescoço. Ao olhar ao redor vi outras crianças que também respiravam com o auxílio de máquinas, todas irmãs ou amigas daquele menino.

À espera do Natal

Nas Filipinas, o Natal é uma celebração que engloba tudo: reuniões de família, comemoração do nascimento de Cristo, celebração ao amor.

Junte isso a comidas deliciosas, festas sem fim e tudo muito enfeitado de dezembro a fevereiro e o que você tem é um Natal bem feliz. Mas, faz alguns anos, a época não me trazia as melhores sensações. Talvez o fato de estar com 20 anos de idade e sem namorado influenciava. Eu queria um amor diferente naquele Natal, uma pessoa com quem dividir a data, alguém a quem amar. Mas não aconteceu. Pelo contrário, foi um período muito difícil, com um monte de conflitos e problemas pessoais. Apesar de estar nas proxi­midades do equador, meu coração estava gelado.

<Page 6 of 6>
Copyright 2021 © Activated. All rights reserved.