Natal na faculdade

Natal na faculdade

No fim do meu segundo ano da faculdade, eu tentava, sem nenhum sucesso, entrar na “vibe do Natal”. Era uma combinação de felicidade pelo fim do ano letivo com as dificuldades de um trabalho que estava me tirando a paz. Na antessala do gabinete do meu orientador, esperando para discutir o referido trabalho, lembrava saudosa das alegrias das festividades de Natal de infância.

Ao ser chamada para entrar pelo mestre, interrompi minhas divagações e tentei disfarçar minha angústia. Antes de começarmos, o professor abriu a gaveta, pegou um saco de doces e disse com um sorriso: “Quer um pirulito? Pegue um.” Eu não sabia como reagir e ri meio sem graça. Desde quando professores universitários dão doces para os acadêmicos?

“Feliz Natal!” — disse o docente e se pôs a comentar minha pesquisa. No fim das contas, meu trabalho nem estava tão problemático como eu imaginara e saí da reunião me sentindo muito melhor.

Mesmo sem saber da minha solidão e tristeza, aquele homem fez algo espontâneo e gentil que me deu o ânimo que eu precisava para enfrentar o resto dos meus desafios de fim de ano, inclusive os exames finais que se aproximavam. Aquele pirulito sabor limão fez reviver em mim a magia do Natal —algo doce, dado com alegria e espontaneidade.

Terminei a guloseima e fui para a sala onde teria a próxima aula e encontrei minha amiga debruçada sobre um espesso livro de Engenharia Civil. Seus olhos estavam cansados; seu semblante, triste. Pude me identificar com seu estado. Quando abri a mochila para pegar um dos meus livros, vi dois biscoitos de chocolate que eu havia reservado para comer à tarde. Eu sabia o que fazer: “Quer um biscoito?” — ofereci à amiga tristonha.

Seus olhos se iluminaram. Sorri e percebi que, mesmo que eu não estivesse desfrutando as mesmas experiências que eu estava acostumada ter em dezembro, podia compartilhar alguma alegria com os que estavam comigo. Um sorriso e algo docinho são coisas muito pequenas, mas na hora em que a saudade bate e a tristeza aperta, como acontece com muitos no Natal, um simples ato de generosidade pode fazer maravilhas e transformar em feliz um dia difícil.

Elsa Sichrovsky

Elsa Sichrovsky é escritora freelance. Vive com sua família em Taiwan.

Mais nesta categoria « Aconteceu no Natal
Copyright 2020 © Activated. All rights reserved.