Por que um estábulo?

Por que um estábulo?

Ela deu à luz a seu filho primogênito, envolveu-O em panos, e O deitou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria. — Lucas 2:7

O Senhor do universo poderia ter escolhido qualquer lugar para Jesus nascer. Isso levanta a questão de por que Deus escolheu um lugar onde os animais eram alojados e alimentados — possivelmente um estábulo, mas também pode ter sido uma caverna ou mesmo um quarto de hóspedes na casa de um parente.

É possível que o ambiente estivesse cheio de feno com um doce aroma — flores e relva seca colhidas durante um verão ensolarado antes de ser reduzido de sua beleza — como o próprio Jesus. O tatame, piso tradicional no Japão, é feito de palha de arroz prensada pouco depois de colhida, para preservar seu agradável aroma. Talvez Deus tenha desfrutado a fragrância. O feno também nos lembra da natureza transitória da vida.

No seu nascimento, Jesus estava cercado por criaturas simples — talvez um burro, aves, uma vaca, uma cabra ou uma ovelha. Em Sua vida, buscou os humildes e disse a Seus seguidores para pregar o Evangelho a toda criatura.1 Ministrava para os humildes e contritos de coração, prostitutas, cobradores de impostos, pescadores, crianças — aqueles na camada inferior da sociedade. Veio buscar e salvar o perdido. Transformou homens que eram tratados como animais de carga em filhos e filhas de Deus.

E quanto aos seus pais terrenos? Um humilde carpinteiro e uma jovem. Jesus poderia ter nascido em uma família ilustre, mas não. Seguiu os passos do pai até os 30 anos de idade, transformando a madeira crua em peças úteis, como ainda transforma hoje aqueles que vêm a Ele buscando nova vida.

Um grupo de pastores veio ver Jesus recém-nascido, a convite dos anjos.2 Deus poderia ter dito para os anjos convidarem qualquer um para o estábulo. Poderiam ter chamado os sumos sacerdotes, os escribas, os doutores da lei, ou os fariseus, mas não foi o que fizeram. Enviou o exército celeste para alguns que eram considerados os menos religiosos, pois o trabalho de cuidar de ovelhas frequentemente os impedia de observar muitos dos importantes rituais de sua fé. Talvez os anjos convidaram os pastores porque eles eram os humildes, as “ovelhas perdidas” que Jesus viera salvar.

Os anjos disseram aos pastores que aquele bebê não era apenas mais um recém-nascido, mas o que fora prometido para trazer boas novas para os humildes; que curaria quebrantados de coração; que proclamaria liberdade aos cativos e abriria as prisões.3

Ao chegarem, viram uma jovem silenciosamente admirando o filho como só uma mãe consegue fazer. Embora não haja nenhum registro de que os pastores tenham presenteado o bebê, não acredito que tenham ido de mãos vazias. Talvez levaram coisas relacionadas ao ofício deles: leite, queijo, lã, carne para um guisado e coisa assim. Na Itália, é o que pastores trazem para as mulheres quando elas dão à luz.

Após conhecerem Aquele que acabara de nascer, os humildes visitantes seguiram seu caminho, alegrando-se no conhecimento que o menino, nascido de gente simples e na pobreza, como eles, se tornaria o Redentor de humildes — aquelas pessoas de boa vontade, a quem o anjo tinha dado uma bênção de paz.

Deus não poderia ter escolhido um lugar melhor para o nascimento de Seu filho, o Messias. Mesmo que talvez tenha parecido humilhante nascer em um ambiente tão simples, cumpriu o plano de Deus. Muitas vezes, Deus trabalha de maneiras misteriosas para realizar Suas maravilhas.4 Foi assim então e é assim agora.

1. Ver Marcos 16:15.
2. Ver Lucas 2:8–12.
3. Ver Isaías 61:1.
4. Ver Isaías 55:9.
Curtis Peter van Gorder

Curtis Peter van Gorder

Curtis Peter van Gorder é roteirista e mímico. Dedicou 47 anos a realizar atividades missionárias em dez países diferentes. Ele e sua esposa Pauline moram atualmente na Alemanha.

Copyright 2021 © Activated. All rights reserved.