Sem saída?

Sem saída?

No ensino médio, em literatura, estudei entre quatro paredes, peça de Jean Paul Sartre, na qual os ocupantes do inferno permaneciam confinados a um quarto sem nada a fazer além de participar em discussões improdutivas e sem propósito.

No ensaio intitulado A Porta Verde, o autor, David Brandt Berg, assemelha o Inferno às instalações de um hospital com assoalho polido e salas cheias de pessoas envolvidas em atividades muito similares ao que faziam na Terra, mas sem nenhuma esperança de realizar coisa alguma proveitosa. Eram cientistas dedicados a experiências sem fim nem resultados, soldados engajados em combates perpétuos, trens que jamais chegavam aos seus destinos e foguetes que nunca decolavam. Nada se concluía. Na primeira parte do seu poema épico A Divina Comédia, intitulada Inferno, Dante descreve uma cordilheira interminável cujas montanhas era preciso escalar, uma após outra.

Mas o Céu é exatamente o oposto. Segundo a Bíblia e o depoimento de centenas de pessoas que documentaram suas experiências de vida após a morte, em que reviveram depois de passarem pouco tempo clinicamente mortas, o Céu é um lugar movimentado, onde pessoas realizadas desempenham trabalhos frutíferos. Sem dúvida, é um quadro que contrasta e muito com a errônea concepção popular da esfera celeste, segundo a qual os abençoados passam a eternidade a flutuar em nuvens enquanto ociosamente dedilham suas harpas.

E a alegria que esperamos sentir lá pode começar aqui e agora. No Pai Nosso, Jesus pede a Deus: “Venha o Teu reino, seja feita a Tua vontade, assim na Terra como no Céu.”1 Em outra ocasião, quando indagado quanto ao tempo em que o reino de Deus se estabeleceria, explicou: “O reino de Deus não vem com aparência visível, porque o reino de Deus está dentro de vós.”2 Em outras palavras, já está (ou pode vir a estar) nos nossos corações.

Na edição de 1828 do dicionário Webster’s, lemos a seguinte definição para o vocábulo “vida”: “Os prazeres ou as bênçãos da existência atual; alegria extrema; felicidade eterna no Céu.” Mais uma vez, aqui e agora, lá e depois.

No Evangelho segundo João, Jesus deixa essa mensagem ainda mais clara quando diz que “a vida eterna é esta: que conheçam a Ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.”3 Conhecê-lO pessoalmente é ter um antegosto do Céu.

Portanto, uma saída e uma alternativa à futilidade e à incerteza. Jesus pode nos dar novo sentido e propósito. Tudo começa quando O deixamos entrar em nossas vidas.

1. Mateus 6:10
2. Lucas 17:20-21
3. João 17:3
Curtis Peter van Gorder

Curtis Peter van Gorder

Curtis Peter van Gorder é roteirista e mímico. Dedicou 47 anos a realizar atividades missionárias em dez países diferentes. Ele e sua esposa Pauline moram atualmente na Alemanha.

Mais nesta categoria Lágrimas no Céu »
Copyright 2021 © Activated. All rights reserved.