Algo do nada

Algo do nada

Quando meu pai completou 85 anos, assistimos a algumas filmagens antigas da nossa família. Foi engraçado ver meu irmão, com apenas um ano, engatinhando, brincando com os filhotes de cachorro e comendo a comida da vasilha deles. E pensar que aquele gracioso bebezinho é agora um distinto professor universitário e palestrante internacional! Isso me fez lembrar em como Deus transforma gente simples em pessoas extraordinárias. Chegamos a este mundo nus e indefesos, e Ele nos torna ímpares pelas nossas experiências e escolhas.

Dizem — e eu acredito — que Deus gosta de fazer algo do nada. Na verdade, creio que foi a partir do nada que fez tudo.

Os cépticos perguntam: “Como é possível o universo ter sido criado a partir do nada? As leis da ciência dizem que nada pode ser criado ou destruído, apenas transformado. É preciso que tudo tenha se originado de algo.” Acho que a resposta mais clara e interessante que conheço para esse questionamento foi dada por James Perloff no livro Tornado in a Junkyard.1

“A teoria mais comumente aceita para explicar a origem do universo diz que, em algum momento, toda a massa e energia estavam comprimidas em um minúsculo ‘ovo cósmico’. Então o ovo explodiu, criando o universo no Big Bang. […]

Todavia, o próprio Big Bang viola todas as leis da natureza. Segundo elas, nenhuma matéria ou energia pode ser criada nem destruída. É a primeira Lei da Termodinâmica, a lei da conservação de energia. Como o conhecido físico Paul Davies escreveu em The Edge of Infinity, o Big Bang “representa a suspensão momentânea de todas as leis da Física, o que permitiu que algo surgisse do nada. Trata-se de um verdadeiro milagre.”2

Se é concebível um evento além das leis naturais, um ‘verdadeiro milagre’, nas palavras de Davies, não faz sentido excluir outras possibilidades, tais como a criação por Deus. Se houve um “ovo cósmico”, quem o pôs? A galinha cósmica? Os cientistas sempre concordaram que para cada efeito, existe uma causa. Como, então, o maior efeito de todos, o próprio universo, pode ter surgido sem uma causa?

Essa causa, acredito, foi uma ordem de Deus. Deus falou e — BANG! — o universo foi criado.

1. James Perloff, Tornado in a Junkyard (Arlington, Mass: Refuge Books, 1999), 29.
2. Paul Davies, The Edge of Infinity (New York: Simon e Schuster, 1981), 161.
Curtis Peter van Gorder

Curtis Peter van Gorder

Curtis Peter van Gorder é roteirista e mímico. Dedicou 47 anos a realizar atividades missionárias em dez países diferentes. Ele e sua esposa Pauline moram atualmente na Alemanha.

Copyright 2021 © Activated. All rights reserved.