Fazer o papel de Deus

Fazer o papel de Deus

Senti muitas vezes o desejo de ter um caminhão de dinheiro para poder ajudar os outros. Conheço muitas pessoas que precisam de ajuda financeira por diferentes motivos e seria maravilhoso poder fazer algo por elas. Fico imaginando como seria poder aparecer e dar um monte de dinheiro para os meus amigos, familiares e outros, e ter o prazer de vê-los sair de apertos financeiros, livres para desfrutar da vida sem o estresse que esses problemas acarretam. Neste momento, contudo, não tenho recursos para isso.

Apesar de eu ainda gostar do sonho de ser um benfeitor, aprendi algo importante: não cabe a mim fazer o papel de Deus.

Isso não quer dizer que não possamos trabalhar em parceria. É bom ser parceiro de um Deus bondoso, amoroso e generoso, mas reconheço que minha contribuição é bem pequena. Tenho direito a voz e voto, por assim dizer, mas não decido. Este mundo e o plano que o rege são obras de Deus e Ele é quem conhece o propósito geral para a humanidade, assim como para cada indivíduo e cada família.

Estive refletindo nos muitos milagres que Jesus fez na Terra e não consigo lembrar de nenhum em que Ele tenha feito um monte de dinheiro cair no colo de alguém. O único que envolveu dinheiro foi quando os discípulos tinham de pagar um imposto e Jesus instruiu Pedro a pescar, pois na boca do primeiro peixe que pegasse encontraria uma moeda, cujo valor bastaria para pagar o tributo devido.1

Pode-se, realmente, fazer muita coisa com o dinheiro, mas ele não compra a felicidade. Estudos mostram que desfrutar do respeito e do apreço dos outros contribui muito mais para a felicidade do que o status ou o dinheiro. Quando temos o básico, a sensação de felicidade estaciona e não cresce com o aumento da receita. Se o respeito e o reconhecimento nos fazem felizes, quanto mais felizes seremos se percebermos o respeito que Deus tem por nós e como nos valoriza.

Como disse o salmista, “Feliz o povo cujo Deus é o Senhor.”2 Isso não é apenas uma afirmação, mas uma fórmula para a felicidade. Quando estamos bem com Deus, somos felizes.

Voltando ao assunto de “fazer o papel de Deus”… ainda tenho o desejo de ajudar os outros financeiramente, mas preciso me lembrar de que isso não vai ser sempre o melhor para as pessoas envolvidas. Mas como Deus sabe o que é melhor, é melhor eu ficar de lado e deixá-lO fazer o que Lhe cabe.

1. Ver Mateus 17:24–27
2. Salmo 144:15
Phillip Lynch

Phillip Lynch

Phillip Lynch, nascido na Nova Zelândia, mora na Costa Leste do Canadá. É autor de diversos livros e artigos, publicados sob o pseudônimo Scott MacGregor.

Copyright 2021 © Activated. All rights reserved.