À beira do rio

À beira do rio

Quando os filhos de Israel estavam se preparando para cruzar o Rio Jordão, Josué enviou os sacerdotes à frente com a Arca da Aliança e instruiu o povo: “Quando virem a Arca da Aliança do Senhor, o seu Deus, e os sacerdotes levitas carregando a arca, saiam das suas posições e sigam-na.1 Desse modo saberão que caminho seguir, pois vocês nunca passaram por lá.”1

Nunca haviam passado por lá e provavelmente foram tomados por um sentimento que conheço bem. Diante de uma situação inédita para mim ou um dilema que jamais vivenciei, muitas vezes fico indecisa. Vou ou fico? Aceito ou recuso?

Algumas decisões são fáceis. Às vezes, o caminho a seguir é óbvio, mesmo para quem nunca o trilhou. Em outras situações, percebe-se a existência de perigos potenciais e armadilhas por toda a parte. Olhar para o que há por vir pode ser emocionante, mas também um tanto assustador por causa do desconhecido.

Neste exato momento, enquanto escrevo este artigo, me deparo com um dilema. Recebi uma oferta de emprego muito atraente. É o tipo de trabalho que gosto de fazer e a remuneração é boa. Mas para aceitá-lo devo me mudar para outra cidade — uma mudança e tanto para alguém que acabou de se estabelecer. Precisaria também colocar algumas metas em segundo plano, ir para longe de minha família e de meus novos amigos. É emocionante, de certa forma, mas também um desafio, porque não sei como tudo vai se desenrolar.

Os filhos de Israel também não sabiam como ficaria a vida deles. Entendiam que deviam continuar em frente, rumo à terra prometida, só que ela estava do outro lado do Rio Jordão, que lhes impedia a passagem.

Como jamais haviam viajado para aquelas bandas, os israelitas deviam seguir a arca, simbólica da presença e promessas de Deus. Tendo à frente a arca — e, consequentemente, Deus —, o povo podia seguir com confiança de que estavam na direção certa.

Nem sempre o caminho indicado por Deus parece fazer sentido. Às vezes, pode parecer algo bem maluco e aquela situação à beira do Jordão foi uma dessas ocasiões, pois Deus instruiu Josué a dizer aos sacerdotes carregadores da arca para pararem “dentro da água, perto da margem”2 do Jordão.

Imagino a ansiedade de alguns filhos de Israel ao se aproximarem das do rio, na cheia. Contudo, lemos que “assim que os sacerdotes que carregavam a arca da Aliança chegaram ao Jordão e seus pés tocaram as águas, a correnteza parou e formou-se uma muralha a grande distância.”3 E os sacerdotes permaneceram de pé em terra seca no meio do Jordão, enquanto todos os israelitas atravessavam com segurança.

Essa história nos dá uma fórmula incrível para tomarmos decisões. Diante de escolhas difíceis, em um trecho da estrada da vida por onde jamais tenha passado, marcado por desafios inéditos e aparentes impossibilidades, devemos manter o olhar em Jesus. Como só Deus sabe o que está à frente, seguir Suas orientações é uma boa ideia.

Ele Se importa com você, com os seus problemas, preocupações e dilemas tanto quanto Se importava com aqueles milhões de israelitas às margens do Jordão. A Bíblia promete: “Como Ele será bondoso quando você clamar por socorro! Assim que Ele ouvir, lhe responderá … Quer você se volte para a direita quer para a esquerda, uma voz atrás de você lhe dirá: ‘Este é o caminho; siga-o’”.4

A Palavra de Deus contém promessas firmes das quais você pode se valer e clamar quando buscar Suas respostas e orientação. Por isso, olhando para Jesus e seguindo seu Mestre, você poderá avançar com toda a confiança para o futuro que Deus preparou para você.

* * *

Seja qual for o seu sonho, comece. Ousadia tem genialidade, poder e magia.
— Autor anônimo

Para dar o primeiro passo de fé, não é necessário ver a escada inteira, basta subir o primeiro degrau.
— Martin Luther King (1929–1968)

Uma grande realização não deveria ser o fim da estrada, apenas o ponto de partida para o próximo passo adiante.
— Harvey Mackay (nascido em 1932)

Algumas histórias não têm começo, meio e fim muito claramente definidos. A vida existe sobre o não saber, na necessidade de mudar, tomar nas mãos o momento e fazer com ele o melhor possível, sem saber o que acontecerá na sequência. Ambiguidade deliciosa. — Gilda Radner (1946–1989)

Acho que existe algo mais importante do que a crença: a ação! O mundo está cheio de sonhadores, mas falta gente que avance e comece a dar passos concretos que materialize sua visão.
— W. Clement Stone (1902–2002)

1. Josué 3:3–4
2. Josué 3:8
3. Josué 3:15–16
4. Isaías 30:19–21 NVI
Marie Story

Marie Story

Marie Story (publica também como Marie Péloquin) reside na cidade de San Antonio, Texas, onde trabalha como ilustradora freelance e é conselheira voluntária em uma organização de apoio a pessoas em situação de rua.

Copyright 2021 © Activated. All rights reserved.