Heroi anonimo

Heroi anonimo

É bem conhecida a história do garoto que cedeu seu almoço para dar de comer a uma multidão.1 Jesus tomou os dois pãezinhos e cinco peixes doados pelo rapaz e abençoou a comida que foi milagrosamente multiplicada para alimentar milhares de pessoas. Quem era o rapaz? Qual era o seu nome? Qual era o nome da mãe atenciosa que se lembrou de lhe dar o almoço para levar? Esses detalhes não são informados.

Os heróis anônimos são aqueles que, discretamente, realizam simples atos de bondade que servem de pano de fundo para tantos milagres de libertação, cura e provisão. Considere os homens que carregaram o amigo paralisado em sua cama. Ansiosos para levá-lo até Jesus para que o curasse, abriram parte do telhado para descê-lo em meio à multidão que estava na casa onde Jesus ensinava.2

Os que carregavam o corpo do filho da viúva pararam por ordem de Jesus e testemunharam o milagre da ressurreição do jovem.3 E não devemos esquecer dos amigos do centurião que imploraram a Jesus que curasse o leal servo do oficial romano. Ao voltarem, encontraram o homem são.4

Esses anônimos deram prova de grande bondade, indo muitas vezes além dos limites do dever. Não há registros que tenham recebido alguma recompensa ou mesmo palavras de gratidão. Sua bondade vinha do coração.

Você provavelmente já adivinhou o tópico do exercício desta edição: realize um esforço consciente para, na próxima semana, fazer um ato de bondade por alguém —um colega, amigo, membro da família ou um estranho— sem dizer para ninguém nem esperar nada em retorno. Melhor ainda, tente fazer isso toda semana. Talvez você não testemunhe nenhum grande milagre, mas terá feito alguém sorrir.

* * *

Hoje nasci

Cada dia que passe, hás de dizer-te:
Hoje nasci!
O mundo é novo para mim
A luz que agora vejo
fere pela primeira vez
      meus olhos límpidos
A chuva que respinga seus cristais
      é meu batismo.
Vamos, pois, viver um viver puro, nítido
Ontem já passou: fui mau? fui bom?
      … Venha o olvido!
Fique somente desse ontem a essência,
     o ouro íntimo do que amei e sofri
     palmilhando pelos caminhos.
Hoje, cada instante, ao bem e à alegria
      será propício,
e à essencial razão de minha existência
      meu decidido afã:
Jorrar sobre o mundo a felicidade,
     verter o vinho
da bondade sobre as bocas ávidas ao
     meu redor.
Será minha própria paz - a paz dos
     outros
Seu regozijo - meu regozijo
Seu sonhar - meu sonho!
Meu cristalino pranto
      o que treme nas alheias pálpebras
E meu palpitar de quantos corações
      palpitem nos orbes infinitos!
Cada dia que passe hás de dizer-te:
Hoje nasci!
— Amado Nervo (1870-1919)

1. Ver João 6:1-13.
2. Ver Lucas 5:18-25.
3. Ver Lucas 7:11-15.
4. Ver Lucas 7:1-10.

Abi May

Abi May (também creditada como Chris Hunt) foi contribuinte da Contato na Grã-Bretanha.

Copyright 2021 © Activated. All rights reserved.