O porquinho que construiu sobre uma rocha

O porquinho que construiu sobre uma rocha

A história dos Três Porquinhos começa quando eles deixam a casa dos pais para “ganhar mundo”. O primeiro constrói sua casa com palha, mas surge um lobo que a sopra e derruba . O segundo faz a sua com madeira, que acaba da mesma forma. Os diálogos entre o lobo e cada um dos irmãos são idênticos:

— Abra essa porta e deixe-me entrar!

— Entrar nesta casa, nem pensar!

— Então, vou soprar, bufar e derrubar sua casa.1

O terceiro porquinho edifica sua casa com tijolos, a qual o lobo não consegue destruir com seus sopros. O perigoso animal procura então atrair o porquinho para fora da casa, mas a cada tentativa o porquinho se mostra mais astuto que o predador.

Em Mateus 7:24–27 Jesus disse: “Todo aquele, pois, que escuta estas Minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha. E aquele que ouve estas Minhas palavras, e não as cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia; desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e caiu, e foi grande a sua queda.”

No versículo 25, encontramos o verbo “combater”, tradução da palavra grega prospipto, um verbo forte que, no contexto, significa que nem mesmo uma forte enchente que invada a casa é capaz de destruí-la, pois foi construída sobre a rocha. No versículo 27, a palavra usada no original é proskopto, com sentido muito fraco e, no contexto, significa que a casa edificada sobre a areia não é capaz de resistir sequer à água de um pequeno córrego.

Em outras palavras, se sua vida estiver alicerçada em Jesus, permanecerá firme mesmo nas maiores dificuldades. Você conseguirá vencer a tempestade porque Jesus é sua rocha, seu fator de estabilidade. Ele o sustentará. Entretanto, se uma casa não estiver construída em Jesus e Sua Palavra, e tiver um alicerce fraco sobre a areia, então até a menor dificuldade poderá fazer essa casa vir abaixo.

John Piper, afirma: “O cristianismo não é um jogo nem uma terapia. Todas as suas doutrinas provêm de quem Deus é e do que realizou na história. Estão relacionadas a fatos. O cristianismo é mais do que fatos, mas não menos. A fé, a esperança e o amor existem, mas não pairam no ar. Crescem como o cedro, na rocha da verdade de Deus. As pessoas que permanecem firmes nas vicissitudes da existência são as que edificam suas casas sobre a rocha das verdades grandes e objetivas cuja origem é Jesus Cristo, o centro e propósito de tudo.”2

Adoniram Judson, que viveu de 1788 a 1850, é uma pessoa que considero um exemplo de alguém que construiu sua existência sobre a rocha. Esse missionário americano trabalhou na Birmânia, por 40 anos, mas sua vida nada teve de glorioso. Tinha apenas 25 anos quando foi com a esposa para aquele país. Sofreram solidão, problemas de saúde, demoraram seis anos para ganhar o primeiro convertido, e Adoniram passou dois anos na prisão — sem dúvida, um golpe tremendo, como uma forte tempestade contra uma casa. Pouco tempo depois de ser libertado, sua esposa e sua filha morreram. Era um golpe após o outro. Entretanto, apesar de as dificuldades e situações devastadoras se sucederem, sua “casa” permaneceu firme.

Imagino que tenha havido momentos em que ele achou que sua casa não estivesse firme e que se sentiu derrotado e abatido. Mas a história mostra que nem ele nem seu trabalho foram destruídos, e que seus esforços valeram a pena. Uma prova disso é que, quando Adoniram começou sua missão, estabeleceu a meta de traduzir a Bíblia para birmanês e estabelecer uma igreja com 100 membros e, antes de deixar esta vida, havia fundado 100 igrejas, que contavam 8 mil convertidos birmaneses.

Quando penso nesse grande missionário, fico verdadeiramente impressionada com a maneira como seguiu em frente apesar de tantos infortúnios, e entendo que isso não foi devido à sua força interior ou à sua incrível determinação, mas àquilo em que se apoiava, a rocha sobre a qual construíra a essência de sua vida —Jesus. Foi por estar alicerçado nEle que Adoniram pôde enfrentar os ameaçadores ventos e tempestades da vida, e permanecer firme.

Então a pergunta é: Onde você está construindo sua casa? Quando as tempestades da vida vierem (e certamente virão), o que sobrará da sua edificação?3

1. “Os Três Porquinhos” — fábula do século 19.
2. Pecados Espetaculares, Cultura Cristã, 2015.
3. Este artigo é uma adaptação de um podcast publicado em Just1Thing, um site cristão dedicado à formação de caráter dos jovens.

Tagged sob
Copyright 2021 © Activated. All rights reserved.