Uma questão de perspectiva

Uma questão de perspectiva

Li um texto do rabino Evan Moffic que fez muito sentido para mim. No último parágrafo, ele ensina:

O filósofo Søren Kierkegaard certa vez disse que “a vida é vivida em perspectiva e entendida em retrospectiva”. Temos o poder para entender em retrospectiva. Não podemos mudar o passado, mas podemos decidir o seu significado para nós. O que decidimos lembrar ajuda a nos moldar para o futuro.1

Um bom exemplo disso foi José, no Antigo Testamento, quando disse aos seus irmãos, que o haviam traído: “Vocês planejaram o mal contra mim, mas Deus o tornou em bem, para que hoje fosse preservada a vida de muitos.”2

Já percebi, como explicou o rabino Moffic, a minha tendência a ter uma memória seletiva. É como se todas as coisas ruins fossem selecionadas por meio de um filtro e as que passassem pelo crivo fossem relegadas a uma posição de menor importância.

Certas situações, porém, exigem um esforço para serem colocadas em uma perspectiva positiva, principalmente quando percebo que a minha memória está enveredando pelo lado escuro e redirecionando meus pensamentos. Sendo assim, mesmo não tendo nada de bom na lembrança, crio algo positivo deliberadamente, dou uma colher de chá à pessoa ou à situação que me incomoda, ou enfatizo o pensamento que, mesmo que eu não consiga ver nada de bom a respeito da situação no momento, isso não anula a promessa de Deus de que todas as coisas contribuem para o benefício dos Seus filhos.3

Uma tática muito eficaz para neutralizar a chateação é dizer algo como: “Fulano de tal pisou no meu calo, mas deve ter sido um reflexo da minha atitude com ele e essa dificuldade de convivência deve ser comum a nós dois.”

A vida é repleta de nuances e complexidades! Tive de reconhecer que fui simplista em muitas das minhas avaliações e abraçar a realidade de que hoje não sei o bastante para analisar corretamente muitas questões. Acho que se pegar mais leve em minhas tentativas de entender as pessoas e as situações a partir de meus próprios recursos limitados, para, em vez disso, me basear no que sei ser verdade com base na Palavra de Deus, poderei compreender muito mais.

1. http://michaelhyatt.com/we-are-what-we-remember.html
2. Gênesis 50:20 NVI
3. Veja Romanos 8:28.

David Bolick

David Bolick

David Bolick nasceu nos EUA. Desde 1974, morou em diversos países latino americanos trabalhando como missionário voluntário e também tradutor, professor de inglês, e escritor freelance. Desde 1991, quando se tornou corredor amador, já participou de várias maratonas e corridas de pista. Para ele, esse esporte é uma inspiração. Tem três filhas, quatro netos, e atualmente reside em Guadalajara, México, com sua mulher, Aldina, de nacionalidade portuguesa. 

Mais nesta categoria « Distribuindo a culpa O especial »
Copyright 2021 © Activated. All rights reserved.