Rose e seus dedos encolhidos

Rose e seus dedos encolhidos

Minha amiga, Rose, estava passando por maus bocados. Seus joelhos e os dedos dos pés estavam inchados e inflamados, e ela não conseguia dormir por causa das fortes dores que sentia nas pernas. Desde a adolescência, esse era um problema recorrente, mas somente exames recentes feitos em uma clínica de reumatologia revelaram que ela sofre de um tipo de artrite inflamatória. Normalmente, ela é cheia de energia, leva uma vida plena e muito ativa. Naturalmente, curiosa para saber a causa dessa doença para a qual não se conhece a cura, pesquisou sobre o assunto.

Quando nos encontramos para um café, fiquei perplexa pela sua exclamação inicial: “Tudo é porque tenho os dedos dos pés encolhidos!” Foi a conclusão a que suas investigações a levaram. O problema é genético. E da mesma forma que herdara dedos dos pés encolhidos, comuns entre seus parentes, recebera também de seus ancestrais uma susceptibilidade a essa doença, cuja primeira ocorrência foi provavelmente por uma circunstância à parte, provavelmente uma infecção.

— Isso não a deixa abatida? — perguntei.

— Tenho de enfrentar. Só porque tenho dedos encolhidos, não vou ficar encolhida em um canto. Posso ter uma predisposição para essa doença, mas não vou deixar isso estragar minha vida. Deus tem sido bom comigo!

As radiografias revelaram que apesar de sofrer de artrite há muitos anos, suas articulações haviam sido muito pouco prejudicadas, para surpresa dos médicos. Sem dúvida, seu estilo de vida ativo, sua determinação de se manter em movimento e sua atitude positiva são fatores que têm contribuído para seu relativamente bom estado.

Depois que Rose se afastou caminhando com dificuldade e uma expressão que combinava sorriso e dor, fiquei pensando em tudo aquilo por muito tempo e com muita seriedade. É verdade que ninguém escolhe sua herança genética e nem tudo que recebemos de nossos antepassados é positivo. Contudo, podemos determinar o que fazer com o que nos foi dado. A Bíblia diz que nosso corpo é o templo de nosso espírito e que devemos cuidar dele.1 Meu templo é imperfeito. Como Rose, tenho alguns defeitos herdados e outras condições que adquiri depois de nascida. Entretanto, isso em nada muda meu dever de “cuidar do meu templo”, cultivando bons hábitos de vida. Dou a Deus minha cooperação e Ele me ajuda a fazer o melhor que posso com o que tenho.

Agora, com a licença do meu teclado, vou parar de escrever. O sol está me chamando lá fora.

1. 1. Coríntios 3:16–17

Abi May

Abi May (também creditada como Chris Hunt) foi contribuinte da Contato na Grã-Bretanha.

Mais nesta categoria « O fator fé Deus ou remédio? »
Copyright 2021 © Activated. All rights reserved.