O que Bo me ensinou

O que Bo me ensinou

Bo era nosso labrador amarelo que simplesmente adorava nadar em nossa piscina. Nela, ele se comportava como um rei em seu domínio. Certo dia, meu filho estava praticando novos estilos de nado e começou a boiar como se estivesse morto. Bo entendeu que o rapaz estava em perigo e se atirou na água para resgatá-lo. Instintivamente, empurrou a cabeça de meu filho para cima e a segurou com as patas, para tentar lhe salvar a vida. O menino mal conseguia respirar, lutando para manter o cachorro à distância, mas o resultado foi que inspirou água e ficou cheio de arranhões.

Enquanto Bo se sacudia fora da piscina e me molhava toda, elogiei-o pelo seu zelo e cuidado. Eu sabia que ele havia atrapalhado mais do que ajudado, mas tive de ter compaixão, pois podia me identificar perfeitamente com a situação, já que muitas vezes produzi os mesmos resultados em minhas interações com os outros.

Outro dia, eu conversava com alguém sobre seu relacionamento com seu filho adolescente e lhe ofereci meu conselho. Após quarenta e tantos anos sendo mãe, avó e ensinando a adolescentes, meu sábio conselho foi simples: “Não leve para o lado pessoal.”

É difícil não ficar chateada, com raiva ou ofendida quando sente que está sendo desafiada, sem falar de todas as vezes em que você deixou de fazer um monte de coisas para escutar aos seus filhos e atender às suas necessidades.

É difícil quando se chega ao ponto em que só resta vigiar e orar, pois já disse e fez tudo que tinha de ser dito e feito. Agora deve dar um passo atrás e deixá-los tentar. Não importa se na primeira tentativa de um novo mergulho ele der barrigada, ou se o “novo estilo” parecer algo estranho no início. Só não vá se jogar na piscina como o Bo fez e tentar resgatá-lo prematuramente. Só observe, espere e fique atenta, caso eles peçam socorro. E ore. No fim das contas, a oração e o amor incondicional são o que de fato fazem a diferença.

Quando pedirem ajuda, não pegue no pé deles por todas as vezes que não o fizeram. Se baterem à sua porta, não diga que está ocupada demais. Seja um lugar de estabilidade em um mundo instável e sempre comunique positividade. Então, guarde como um tesouro esse momento em que os envolve com seus braços e lhes devolve a fé para saltar novamente na piscina.

Joyce Suttin

Joyce Suttin

Joyce Suttin é educadora, casada e vive em San Antonio, Texas. Faz seleção e edição online de textos motivacionais e é autora vários artigos dessa natureza, muitos dos quais publicados pela revista Contato.

Copyright 2021 © Activated. All rights reserved.