Escolha de mãe

Escolha de mãe

Nenhum de seus amigos ou familiares entende por que ela fez o que fez, mas a maioria desaprova, pois entende ser tolice. As objeções se explicam, pois May já tem seus quarenta e tantos anos, mora sozinha desde que a filha se mudou e, apesar de endividada, cria a menina que o ex-marido teve com outra mulher.

May se casou muito jovem e quando estava na casa dos vinte se divorciou, mas mesmo antes disso já criava seu primeiro filho sozinha, pois seu companheiro era dependente químico e passava metade do tempo na cadeia.

Então, mais de vinte anos após a separação, o homem reapareceu e lhe pediu um favor: queria que May encontrasse uma maneira de levar a criança que tivera com outra mulher para um orfanato, antes de ele ser preso de novo. A pequena Joline fora abandonada pela mãe e tudo indicava que seu destino era passar a infância em uma instituição.

Em vez disso, May encontrou uma maneira de ficar com a bebê e a tem faz cinco anos. Não é fácil. May luta com grande dificuldade para conseguir pagar as contas e Joline é uma criança difícil. Mas May é inabalável.

“Vivem me dizendo que Joline é um grande fardo e que não vale os sacrifícios que faço para cuidar dela. Mas ninguém me pergunta como eu me sinto nem quer saber por que estou fazendo isso.

Depois que meu último relacionamento fracassou, senti como se tivesse perdido tudo pelo que viver e que jamais teria uma família normal. Mas quando vi pela primeira vez o sorriso de Joline e senti sua mãozinha segurar com força meu dedo, foi como encontrar alguém que me amava e precisava de mim. Ela não é um fardo, mas minha fonte de amor e alegria.”

Justamente então, a menina se aproximou, colocou os braços em volta do pescoço de May, beijou-a no rosto e disse: “Eu te amo, mamãe. Você é a melhor mãe do mundo!” O semblante de May se iluminou com a expressão de mãe orgulhosa.

Entendi então que May tinha razão, apesar de ser mal interpretada pelos demais. Em vez de deixar os revezes e dificuldades a arrastarem para um poço de autocomiseração, escolheu se concentrar em dar o que tinha. E ao fazer isso, encontrou a felicidade que parecia sempre lhe escapar.

* * *

Um dos maiores presentes que meu pai me deu —sem querer— foi eu testemunhar a coragem com que lidava com a adversidade. Ele era sempre inabalável, completamente tranquilo, o mesmo homem entusiasta, risonho e jovial.
—Ben Okri (nascido em 1959)

A vida está repleta de espinhos e não conheço alternativa a passar rapidamente por eles. Quanto mais permanecermos nos nossos infortúnios, maior será seu poder de nos prejudicar.
—Voltaire (1694–1778)

Renee Chang

Renee Chang é diretora de uma empresa de consultoria em Taiwan.

Copyright 2021 © Activated. All rights reserved.