Cartão postal de Verona

Cartão postal de Verona

Sou da mesma cidade natal de Romeu e Julieta. Todo dia, a caminho da escola, passava pela famosa varanda da qual Shakespeare faz Julieta chamar seu amor e para a qual ele certa vez escalou segurando-se em uma de suas longas tranças. Recentemente, voltei à Verona e tornei a passar pelo cenário daquele momento de amor. Mas a multidão de turistas não me permitiu sequer chegar perto da famosa sacada e as paredes estavam cobertas com assinaturas, que, periodicamente são repintadas, para que outros turistas tietes escrevam seus nomes. Na rua, um sem número de lojas vendem souvenires com motivos românticos.

Não sei o que Shakespeare acharia da maneira como sua história foi reimaginada e adaptada incontáveis vezes. Uma coisa é certa: nunca foi tão famosa. Quando me perguntam onde nasci, a resposta costuma produzir sorrisos e suspiros que entoam: Romeu e Julieta.

Na adolescência, a trágica história do casal apaixonado também me atraía e, por muitos anos, desejava secretamente que meu Romeu surgisse para atender a todos os desejos do meu coração, mas a vida e 38 anos de casamento, com todos seus altos e baixos, ensinaram-me muita coisa.

Recentemente esbarrei em uma linda citação: “Há uma grande diferença entre apaixonar-se por alguém e amar alguém. Paixão simplesmente acontece, mas o amor requer trabalho, sofrimento, riso, perda de sono e abnegação. O amor verdadeiro não simplesmente acontece.”1

Adoro histórias românticas, mas aprendi que o verdadeiro amor é outra coisa. Resiste ao teste do tempo e sua essência é dar, não receber. O amor é o compromisso maior. Mas voltando a Shakespeare: “A senda do verdadeiro amor jamais foi suave.”2 Parece um desafio e tanto.

1. F. Roversi
2. Sonho numa noite de verão

Anna Perlini

Anna Perlini é cofundadora da organização humanitária Per un Mondo Migliore, com atuação na região da antiga Iugoslávia, desde 1995. 

Copyright 2021 © Activated. All rights reserved.