Na saúde e na doença

Na saúde e na doença

Christina e Bryan

Outro dia assisti à comédia romântica Amor e Outras Drogas,baseada no livro de memórias de Jamie Reidy, Hard Sell: The Evolution of a Viagra Salesman.

Na minha opinião o filme pareceu um pouco um “show de variedades”, mas mostrou uma história de amor pé no chão nada típica de filmes românticos ou do estilo de Hollywood. A jovem e linda Maggie Murdock (Anne Hathaway) tem uma doença degenerativa incurável—mal de Parkinson. Para mim, isso compensou pelos trechos no filme que não me agradaram, porque na vida real, nos relacionamentos, reveses acontecem.

Fazia algumas semanas que eu ouvira uma comovente entrevista com Toben Heim, que escreveu vários livros em parceria com a esposa Joanne, inclusive Happily Ever After: A Real-Life Look at Your First Year of Marriage (Felizes para Sempre: um Olhar Realista ao Primeiro Ano de Casados). Ele também escreveu outros sozinho e , é coautor de Wrecked: What God Can Do When Things Crash and Burn(Despedaçado: O que Deus Pode Fazer Quando as Coisas Desmoronam), com Ryan Dobson.

Na entrevista, Toben falou do seu compromisso cada vez mais forte com o casamento após o derrame de Joanne que a deixou paralisada, muda e em terrível sofrimento físico, mental e emocional. Foi comovente ouvi-lo falar o que tem vivenciado, como afetou sua vida e a de seus filhos. Foi inspirador ver como a situação fortaleceu o seu amor pela esposa e sua fé nas promessas de Deus.

Recentemente também li trechos de uma entrevista com Laura Hillenbrand, autora do best-seller que deu origem ao filme Seabiscuit - Alma de Herói. Ela é famosa por contar histórias vívidas com personagens fortes, mas ela própria passou décadas entrevada em uma cama, com uma doença grave e debilitante.

Quando o entrevistador lhe perguntou como ela consegue sobreviver, Hillenbrand deu muito mérito ao marido, “um namorado que arrumei na faculdade”. “No dia do meu casamento, disse ao entrevistado, estava tão mal que fiquei apenas alguns minutos na festa. Ele já passou por muita coisa comigo. Alguns casais teriam se separado por causa disso, mas no nosso caso isso nos uniu. Temos um entendimento muito profundo. Para ele, eu não sou doente, pois vê tudo mais que sou. Tivemos que aprender a ter essa atitude. Não é fácil manter um casamento sob condições como a nossa.”

Ao ler esse relato, imaginei o seu marido como um cara bem especial e não pude deixar de relacionar a situação deles à minha e tudo o que a minha santa esposa, Christina, tem passado comigo, pois, abnegadamente me aguenta há tantos anos. E não se trata apenas das enxaquecas frequentes e outras doenças e problemas de saúde que ela tem me ajudado a enfrentar e que certamente afetaram grandemente a sua vida. Mas ela também tem sobrevivido a várias outras coisas que eu, no lugar dela, teria tido muita dificuldade para suportar.

Acho que pode-se dizer que a maioria das pessoas tem algum problema de saúde e não é fácil manter os relacionamentos felizes. Todos temos fraquezas e problemas recorrentes que exigem um abastecimento ilimitado de amor incondicional e abnegado, e de perdão. Sei que no meu caso é assim! Não entendo como a Christina tem me aguentado todos esses anos, mas ainda está aqui, admiro-a por isso e agradeço a Deus por ela. Não tenho dúvida: é uma santa!

Outra entrevista que me emocionou muito foi com a escritora Joni Eareckson Tada e seu marido Ken. Joni é tetraplégica há muitos anos e agora luta contra o câncer de mama. Não é fácil para ninguém lidar com o câncer e com a agressividade do tratamento, mas para Joni e Ken, os desafios são mais fortes. A intenção da entrevista era informar aos leitores de Joni do seu estado de saúde e pedir oração por ela, mas, é claro, o resultado foi muito maior: uma linda e surpreendente história de amor.

Chorei ao ouvir seus depoimentos, não só por causa das dificuldades que essa mulher maravilhosa tem enfrentado, mas pelo profundo amor que se percebia na voz trêmula do marido, quando contava com muita emoção como tem sido difícil para ele ver Joni sofrer tanto, e como isso os aproximou ainda mais e intensificou o seu amor.

Joni explicou: “É maravilhoso —quando se está na pior e tudo parece um pesadelo— ter alguém ao seu lado. Houve uma noite em que eu sentia tanta dor que orei antes de me deitar: ‘Senhor Jesus, poderia, por favor, aparecer esta noite? Quero ver e sentir Você, ter a certeza de que está ao meu lado. Você prometeu nunca me deixaria nem desampararia. Quero sentir isso esta noite’.

Como sempre, tive de acordar Ken de madrugada para que me ajudasse. Ao vê-lo ali em pé, na penumbra, disse: ‘Você é Ele! Você é Jesus! Ken, sinto Jesus no seu toque, vejo Jesus no seu rosto e no seu sorriso. [Consigo ouvir Jesus] no tom da sua voz.’ E foi a mais doce sensação da minha vida sentir a presença de Jesus através do meu marido.”

Eu me identifico completamente com o que Joni disse. Graças a Deus, nunca passei pelas coisas que ela enfrentou tão bravamente e com tanta graça desde que ficou paralítica, depois de um acidente durante um mergulho há décadas, mas as pessoas que convivem comigo sabem que tenho vários problemas de saúde e que sinto muitas dores. Houve vezes em que fiquei tão doente ou com tanta dor que nem conseguia pensar ou falar. Sem dúvida muitos com problemas de saúde vão entender do que estou falando.

Mas mesmo nos momentos mais difíceis, Jesus sempre esteve ao meu lado, me aliviando, consolando e me curando. E não dá para contar as vezes em que Christina foi Jesus para mim, cuidando ternamente de mim, com uma paciência infinita, uma resiliência inacreditável e um amor incondicional. É assim que ela é. Como o marido de Joanne Heim, de Laura Hillenbrand, de Joni Eareckson Tada e muitos outros maridos e esposas sobre os quais o mundo não ouve falar, minha esposa tem ficado ao meu lado em tudo que tenho passado, na saúde e na doença.

É claro, nem sempre é possível ter alguém assim por perto. Mas Jesus está sempre conosco. Vê nossas necessidades, compadece-se das nossas fraquezas,1 e sempre nos ajuda a superar a noite mais escura. Mesmo quando não O valorizamos como deveríamos, Ele permanece fiel ao nosso lado. Aconteça o que acontecer, podemos contar com Ele.

Mas ter alguém assim —uma esposa, um marido, um parente ou um amigo—, alguém que escolhe ficar ao seu lado na dificuldade, que não vê você como um doente ou um farrapo de gente, mas tudo mais que você é ou que pode vir a ser, é maravilhoso e quase bom demais para acreditar.

Que cada um de nós viva com abnegação, capaz de amar dia e noite, seja Jesus para aqueles que Deus coloca em nossas vidas —“nos momentos bons e maus, na saúde e na doença.”

1. Ver Hebreus 4:15.

Bryan Clark

Bryan e Kristina Clark vivem em Guadalajara, México. Ele trabalha com turismo médico. 

Mais nesta categoria « 36 segundos E dou-lhe três »
Copyright 2021 © Activated. All rights reserved.