Sinto muito

Sinto muito

Durante anos, fui monitora de crianças em atividades de recreação. Com toda aquela correria e pulação de crianças boazinhas e sapecas, volta e meia havia trombadas, tropeções, empurrões, etc.

Com frequência, os causadores dos acidentes garantiam: “Não foi minha culpa” ou “Foi sem querer”. Obviamente, identificar o culpado não era a prioridade imediata. O mais importante era o bem-estar da “vítima”.

A cena se repetia com tanta frequência que finalmente entendi que a maioria de nós precisa aprender empatia. Não é um processo natural. Admitir culpa e ter compaixão são duas coisas diferentes. Nos parquinhos e na vida adulta, é comum magoarmos os outros inadvertidamente e mesmo nessas situações devemos pedir desculpas.

Talvez tivéssemos nossas razões por fazer o que fizemos, é possível que não tivéssemos previsto os possíveis desdobramentos, as circunstâncias levaram ao erro, houve mal-entendidos e outros participaram das ações. Toda história tem pelo menos dois lados. O problema é que, com frequência, dizemos: “Sinto muito, mas permita-me explicar…” É uma forma de atrair a atenção para nós, afastando-a das pessoas que ferimos. Tornamo-nos assim vítimas de um mal-entendido. Às vezes, ajuda fazer esclarecimentos, se pudermos oferecer nosso lado da história. Mas vamos por partes e a primeira é: alguém foi magoado? Um pedido de desculpas sinceras contém um bálsamo curador.

De volta ao playground... Outra lição que aprendi com meus 35 anos trabalhando com crianças: quando um lado é rápido para pedir perdão, o perdão pode vir mais rápido. E essa é a melhor parte.

* * *

Quem se importa com quem está certo ou errado, quando a última palavra é um pedido de desculpa? — Richelle E. Goodrich

Pedir desculpas não quer dizer que você está errado e a outra pessoa está certa. Significa que você valoriza o relacionamento mais do que seu ego. — Autor desconhecido

Um pedido de desculpas é a cola mágica da vida. Pode consertar praticamente qualquer coisa. — Lynn Johnston (n. 1947)

Peça desculpas rápida e francamente. Então, traduza suas palavras em ações. — Judy Ford

Pedir perdão é como um perfume delicioso; pode transformar o momento mais constrangedor em uma dádiva maravilhosa. — Margaret Lee Runbeck (1905–1956)

Sally García

Sally García é educadora, missionária e membro da Família Internacional no Chile.

Copyright 2021 © Activated. All rights reserved.